TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Quem sou eu

Minha foto

Bem vinda(o) à página de Ton MarMel, Artista Visual, que desde criança manifestou dotes para pintura, desenho, escultura, frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, recebeu inúmeros prêmios, participou de dezenas de salões de artes, exposições INDIVIDUAIS no Brasil e exterior, é Advogado, doutor em Direito Público há mais de 15 anos, que tem a missão de oferecer obras de artes, serviços artísticos experientes e conhecimentos de excelência com criatividade, segurança e eficiência, inclusive para ASESSESSORIA ARTÍSTICA, CONSULTORIA ON LINE.  (º--º)  Meu trabalho é conhecido e reconhecido por várias pessoas físicas e jurídicas pois presto serviços e ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS E EM GRUPOS, inclusive como PALESTRANTE sobre arte social, direito, projetos sociais de relevância, desenvolvimento pessoal, motivação, empoderamento, liberdade emocional.



TOTAL DE VISITANTES

TOTAL DE VISITANTES

SEGUIDORES DE MARMEL

PESQUISAR NESTE SITE?

RECEBER NOTÍCIAS DE PUBLICAÇÕES? DIGITE E-MAIL

quarta-feira, dezembro 21, 2016

INFLUÈNCA SOCIAL NA APRECIAÇÃO DA ARTE

Estudo mostra que opinião sobre arte influencia na apreciação. O valor financeiro atribuído a ela influencia na forma como as pessoas a apreciam.



Oscar Wilde define a arte como a forma mais intensa de individualismo que o mundo conhece. A singularidade é emitida pelo artista, destaca o dramaturgo irlandês. Mas a opinião dos apreciadores pode ser influenciada por terceiros, segundo estudo conduzido por cientistas austríacos. Os pesquisadores analisaram a opinião de um grupo de voluntários sobre obras de arte e descobriram que eles eram afetados pelo ponto de vista de especialistas e pelo valor monetário dos trabalhos ao fazerem as próprias avaliações. Para os investigadores, a constatação confirma teorias sobre influência social levantadas por sociólogos e filósofos.

Os autores basearam-se em pesquisas na área artística e sociológica em que especialistas tratam a opinião artística como uma questão passível de influências externas. “Vários pensadores argumentam que as pessoas geralmente procuram a arte para se unir ou se excluir de grupos sociais. Isso sugere que, em se tratando de arte, o nosso gosto não é completamente pessoal ou objetivo, pode mudar dependendo do contexto social. No entanto, isso ainda não tinha sido testado empiricamente”, explica ao Correio Matthew Pelowski, um dos autores do estudo e pesquisador da Faculdade de Psicologia da Universidade de Viena, na Áustria.

No experimento, um grupo de voluntários tinha que avaliar uma série de pinturas de acordo com o seu prazer pessoal. Antes da apresentação, porém, eles foram informados que alguns grupos sociais haviam avaliado as obras anteriormente: colegas universitários, peritos (curadores) e jovens que largaram a faculdade e estavam sem trabalhar. “Os resultados mostram que, quando os participantes pensavam que os especialistas ou os colegas de faculdade gostavam de uma pintura, eles também gostavam”, conta Pelowski. “No entanto, quando eles pensavam que os desempregados não gostavam de uma pintura, os participantes foram na direção oposta e disseram que gostavam mais”, completa o autor.

Em uma segunda etapa, os pesquisadores mostraram aos voluntários o preço fictício de venda de uma pintura em um leilão de arte, o que também mudou significativamente a forma como eles definiram seu posicionamento diante da peça. Preços muito baixos deixaram os participantes menos interessados e admirados pela obra, preços muito altos provocaram o efeito contrário. Segundo a equipe de investigadores, as constatações mostram como a arte pode ser usada para demonstrar tipos de afinidade em grupos sociais. “Esses resultados fornecem apoio empírico para uma teoria de distinção social introduzida pelo sociólogo e filósofo francês Pierre Bourdieu. A forma como usamos a nossa avaliação e o nosso engajamento com a arte pode demonstrar lealdade aos grupos sociais desejáveis”, destaca Pelowski.


(Correio Braziliense. Caderno Ciência e Saúde. Vilhena Soares) 




quarta-feira, novembro 30, 2016

DESEJOS DE ATITUDES

Quando compreendemos que tudo na vida é instável, descobrimos a verdadeira vida, justamente por ser instável. A vida se torna interessante de ser vivida, por mais que muitas vezes ela nos desagrade, pelo simples fato de não estar transcorrendo exatamente como desejaríamos; demonstra apenas o nosso egoísmo e despreparo para viver.

PAZ E AMOR - Ton MarMel - #marmel +Ton MarMel #marmelton #tonmarmel

A grande diferença entre o fracasso e o sucesso está em como interpretar os sinais que a vida coloca em nossos caminhos. Não que isso seja fácil, mas a perseverança, aliada a um objetivo claro na mente, é tudo que precisamos para transformar fracasso em sucesso, tristeza em alegria, ódio em amor.

Afinal, o segredo está em nosso coração, pois acreditamos que seja muito fatigante viver somente para satisfazer as aparências.

Além disso, não podemos escolher como vamos morrer. Ou quando. Podemos somente decidir como vamos viver.

E pensando nisso lembrei de algo que li e não sei se é apenas lenda, mas, seja como for, dizem que numa noite de dezembro de 1914, em New Jersey, as instalações fabris de Thomas Edson foram destruídas pelo fogo e ele perdeu equipamentos no valor de cerca de um milhão de dólares, além dos registros de grande pane do seu trabalho.

Na manhã seguinte, ao caminhar por entre os destroços carbonizados de seus sonhos, o inventor, que contava 67 anos de idade, disse: "Os desastres têm um préstimo - queimar nossos erros. Depois a gente pode começar de novo".

Edson compreendeu um dos grandes princípios da vida: qualquer situação, seja boa, seja má, altera-se, na dependência da atitude com que a encaramos.

Os melhores otimistas enfrentam os problemas com filosofia corajosa e conseguem emergir das tragédias, ainda mais fortes. E pesquisas recentes referem que os otimistas ganham mais dinheiro, têm mais sucesso escolar, são mais saudáveis - o que ocasiona uma vida certamente mais longa. Ou seja, o otimista leva vantagens em relação ao pessimista, quer em qualidade, quer em quantidade de vida.

Então minha amiga e meu amigo, o ano que se aproxima do findar pode até não estar sendo bom agora ou não ter sido dos melhores pra ti durante algum momento do seu transcorrer, seja politicamente, financeiramente, seja em termos laborais ou de saúde, mas veja as perdas das famílias desses mais de 75 atletas que faleceram em vesperal de jogo final de campeonato de futebol!

De minha parte deixo o registro da lembrança da dor da perda de minha mãe em junho e o desejo de superação e resiliência para todos nós.


Um grande abraço.




terça-feira, novembro 29, 2016

FALAS

Porque a FALA é a utilização oral da língua pelo indivíduo. É um ato individual, pois cada indivíduo, para a manifestação da fala, pode escolher os elementos da língua que lhe convém, conforme seu gosto e sua necessidade, de acordo com a situação, o contexto, sua personalidade, o ambiente sociocultural em que vive, etc. Desse modo, dentro da unidade da língua, há uma grande diversificação nos mais variados níveis da fala. Cada indivíduo, além de conhecer o que fala, conhece também o que os outros falam; é por isso que somos capazes de dialogar com pessoas dos mais variados graus de cultura, embora nem sempre a linguagem delas seja exatamente como a nossa.


FALA - Técnica mista. Materiais diversos. (Coleção Particular). Ton MarMel +Ton MarMel #tonmarmel #melmarton #marmel
Níveis da fala

Devido ao caráter individual da fala, é possível observar alguns níveis:

Nível coloquial-popular: é a fala que a maioria das pessoas utiliza no seu dia a dia, principalmente em situações informais. Esse nível da fala é mais espontâneo, ao utiizá-lo, não nos preocupamos em saber se falamos de acordo ou não com as regras formais estabelecidas pela língua.
Nível formal-culto: é o nível da fala normalmente utilizado pelas pessoas em situações formais. Caracteriza-se por um cuidado maior com o vocabulário e pela obediência às regras gramaticais estabelecidas pela língua.
Signo
O signo linguístico é um elemento representativo que apresenta dois aspectos: o significado e o significante. Ao escutar a palavra cachorro, reconhecemos a sequência de sons que formam essa palavra. Esses sons se identificam com a lembrança deles que está em nossa memória. Essa lembrança constitui uma real imagem sonora, armazenada em nosso cérebro que é o significante do signo cachorro. Quando escutamos essa palavra, logo pensamos em um animal irracional de quatro patas, com pelos, olhos, orelhas, etc. Esse conceito que nos vem à mente é o significado do signo cachorro e também se encontra armazenado em nossa memória.
Ao empregar os signos que formam a nossa língua, devemos obedecer às regras gramaticais convencionadas pela própria língua. Desse modo, por exemplo, é possível colocar o artigo indefinido um diante do signo cachorro, formando a sequência um cachorro, o mesmo não seria possível se quiséssemos colocar o artigo uma diante do signo cachorro. A sequência uma cachorro contraria uma regra de concordância da língua portuguesa, o que faz com que essa sentença seja rejeitada. Os signos que constituem a língua obedecem a padrões determinados de organização. O conhecimento de uma língua engloba tanto a identificação de seus signos, como também o uso adequado de suas regras combinatórias.
NOS DETALHES: Em linha de lã colada e pintada de branco eis a grafia da palavra fala. E compondo a moldura tem-se letras, clips, tachas de plásticos: objetos cotidianos para frisar, prender, lembrar as falas, as palavras cotidianas.


segunda-feira, outubro 10, 2016

A ERA DO BUMBUM. “A IDADE DO BUMBUM”?!

Em setembro, uma foto de uma jovem contemplando a fenda murmurante de um gigantesco bumbum instalado na galeria Tate Britain, em Londres, chamou a atenção para o nível da nossa atual obsessão.


Estamos em plena "Idade do Bumbum". Se no século 18, a Idade da Razão era obcecada pela mente, hoje as coisas estão um pouquinho mais carnudas. O bumbum já é algo tão presente no nosso imaginário cultural que acreditamos que um deles seja capaz de "quebrar" a internet.

Adoramos essa parte do corpo em músicas como se ela fosse um deus a quem queremos fervorosamente agradar.

Canções como My Humps (dos Black Eyed Peas), Anaconda (de Nicki Minaj),Baby Got Back (de Sir Mix-a-lot) e Bootylicious (das Destiny's Childs) glorificam o bumbum de tal maneira que há cada vez mais mulheres dispostas a passar por uma cirurgia para aumentá-los - tanto que a Sociedade Americana de Cirurgia Plástica chamou 2015 de o "Ano do Traseiro".

E agora, até representações exaltadas de nádegas estão ganhando espaço nas grandes premiações do refinado mundo das artes visuais.

A obra, batizada de Project for a Door ("Projeto para uma porta", em tradução literal), é uma escultura de 5 metros de altura realizada pela artista britânica Anthea Hamilton, que foi indicada para o Turner Prize deste ano, um dos mais prestigiados (e polêmicos) prêmios da arte contemporânea.

A peça se baseia em um projeto nunca executado pelo arquiteto italiano Gaetano Pesce para um prédio de apartamentos em Nova York.

Inspiração pré-histórica


Noventa e nove anos depois de o dadaísta francês Marcel Duchamp escandalizar o mundo das artes ao propor a instalação de um urinol em uma galeria, e quase duas décadas após a artista britânica Tracey Emin deixar críticos indignados ao expor uma cama amarrotada cheia de camisinhas usadas, absorventes manchados, bitucas de cigarro e garrafas vazias, é de se pensar que nossa sensibilidade passou a ser mais resiliente.

Pode até ser. Talvez um par de nádegas, por si só, seja algo capaz de atrair uma enorme fascinação, representando uma fonte única e inesgotável de inspiração cultural.

A foto da jovem hipnotizada pela escultura de Hamilton praticamente fecha o ciclo da história do olhar humano.

A obra mais antiga de arte figurativa de que se tem notícia, a chamada Vênus de Hohle Fels (descoberta na Alemanha em 2008 e com mais de 40 mil anos), revela o quanto estamos predestinados a caprichar nas proporções do bumbum.

Forjada em marfim de mamute, a diminuta estatueta é um amontoado de seios protuberantes e nádegas inchadas - exageros que, segundo historiadores, podem explicar a função da peça como um totem da fertilidade.

Desde então, o traseiro provou ser um marco essencial da genialidade visual para uma série de artistas: do holandês Hieronymus Bosch, no século 15, a Salvador Dalí, no século passado, e às selfies "destruidoras" de Kim Kardashian.



terça-feira, agosto 30, 2016

FAÇA. TENTE. INVENTE

A criatividade é muito mais que uma dádiva ou um talento nato. É um processo resultante de tentativas, erros e acertos. Quanto mais você treinar, mais imaginação você terá e desenvolverá o talento nato.

(Criatividade, segundo Ton MarMel Ton)

"Se quiser ter uma boa ideia, tenha antes uma porção de ideias," Inventor da lâmpada elétrica incandescente, do fonógrafo e de muitos outros produtos revolucionários, o empresário norte-americano Thomas Edison é um ícone da criatividade. É dele também a célebre frase: "Talento é 1% inspiração e 99% transpiração", Apesar de parecer subjetiva (e o ser), a inventividade é uma habilidade nata, basta observar o fantástico mundo lúdico de uma criança. Mas, se criar está em nosso DNA, por que a capacidade de inovar parece estar ausente no cotidiano da maioria das pessoas? De acordo com especialistas, a criatividade é feito músculo: basta exercitá-la diariamente para torná-la cada vez mais forte.

Satisfação pessoal e financeira são apenas algumas das vantagens de colocar o cérebro para malhar. Todo processo criativo nasce da mesma forma: da necessidade de resolver um problema. Identificar dificuldades e criar soluções, seja no ambiente profissional, seja na vida pessoal, é a interseção entre as mentes engenhosas. O segundo passo na estrada rumo à originalidade é a implementação de urna cultura criativa. São pequenos movimentos para se tornar diariamente mais criativo. No trabalho, por exemplo, a pessoa pode observar os processos que faz todos os dias e pensar em uma solução para não perder tanto tempo com e-mail’s, redes sociais ou em alternativas mais proveitosas do que reuniões.

Assim corno manter um corpo sarado exige exercícios físicos constantes, afiar a criatividade demanda prática sempre que possível. Mas nem todo mundo que frequenta academia quer, necessariamente, se tornar um fisiculturista, certo? O mesmo acontece com a inventividade. Urna dica para não se pressionar tanto é começar a sair da zona de conforto. Isso significa não começar algo almejando retorno financeiro ou sucesso instantâneos. Pense em algo que vá resolver seu problema hoje e não naquilo que vá te deixar milionário. Mas não seja tão altruísta e pense, também, em ganhar dinheiro através do uso da criatividade.

Soltar as amarras da mente é essencial para dar vazão a esse processo. Mas não é fácil. O primeiro inimigo da libertação mental, inclusive, são os próprios pensamentos. As pessoas tendem a se importar com a imagem que passam, o que é normal. Mas, muitas vezes, isso traz à tona a voz de julgamento, ou seja, antes de os outros julgarem a pessoa, ela mesma tolhe qualquer pensamento que vem à cabeça. Isso mata a criatividade. É preciso ter capacidade de experimentar, de ser um  pouco subversivo.

O medo de errar, a vergonha de se expor e ego inflado também entram na lista de vilões. Entre eles, contudo, o ego talvez seja o mais perigoso. A criatividade é um movimento de dentro para fora, já que, muitas vezes, o processo criativo está muito relacionado com o nosso interior. O problema é especialmente delicado quando isso engloba duas ou mais pessoas: a briga de qual ideia é "a melhor" prejudica, e muito, a construção de algo novo. Se há mais de urna pessoa, haverá ideias conflitantes. Isso é absolutamente normal, mas é preciso aprender a domar o ego.


Dar cara nova a velhos comportamentos e conceitos é urna habilidade indispensável a qualquer ser humano. Em uma era em que a inovação e o conhecimento regem as relações, tentar pensar além do que está aparente e está sendo feito é interessante, tanto profissionalmente quanto em relação à qualidade de vida.

Repensar as próprias fronteiras e dar adeus à zona de conforto são desafios impostos à mente. Hoje, é preciso que se estabeleça ligações entre as diversas áreas de conhecimento e de trabalho com as artes, por exemplo. Uma experiência enriquece a outra. Afinal, criatividade é uma habilidade que você pode desenvolver. Claro que cada um tem seu tempo, suas curiosidades e questões. Mas é muito mais uma postura que se assume. Quando você percebe que consegue ser criativo, é empoderador.

VAI E FAZ

Um dos pontos-chave da criatividade é um lema simples: vai lá e faz. Tudo o que temos no mundo são ideias que precisam de execução ou de praticidade. Não tem que ficar titubeando. Na dúvida, tem que fazer e ver o resultado.

Em matéria de criatividade, não há resposta certa ou errada. Compreender o processo é mais importante do que, necessariamente, chegar ao fim dele- até porque, nada garante que ele não vá tomar rumo próprio, bem distante do inicialmente planejado.

O processo criativo nada mais é do que o quanto você, enquanto pessoa ou profissional, está disposto a gerar ideias de uma nova forma. A busca por novos insights passa, ainda, por outro ponto crucial: as referências. Ouvir músicas diferentes, ir a exposições, teatros, assistir filmes, tudo conta. Não se sabe de onde vai vir uma ídeia, então, não se sabe em que fonte está a resposta para o que se busca, e estar disposto para o novo é a única forma de criá-lo.

Assim como muitos especialistas interpretam, a criatividade precisa de timming. Varia muito de pessoa para pessoa e não tem como ser comparada. Todo mundo pode ser um bom escritor. As pessoas não querem ler o senso comum, querem a opinião do escritor sobre aquilo, seja um universo criado, um romance, seja uma análise sobre a situação política.

INVENCIONICE CIENTÍFICA

O comportamento humano e a criatividade são interesses recentes da neurociência cognitiva. Estudos novos focam nos processos cognitivos que poderão ser importantes na manifestação da novidade e na adequação dentro de um determinado contexto. A inteligência e o pensamento divergente têm merecido maior destaque por parte dos cientistas. Plasticidade, comportamento e personalidade são os princípios básicos que interagem com a manifestação criativa do sujeito. É importante mostrar que a criatividade não é exclusiva dos gênios, mas uma atividade comum do nosso aparato biológico, embora a criatividade seja uma característica vasta na personalidade de artistas, pintores, escultores, principalmente.

O conceito de criatividade pode ter definições diferentes, a depender da área de conhecimento em que atua. Um dos conceitos pode ser a criatividade corno sendo a capacidade de gerar ideias ou artefatos surpreendentes e importantes; a produção de produtos novos e úteis; a capacidade de gerar um trabalho que seja novo (original, imprevisível) e apropriado (adaptável). Outro conceito define criatividade corno um produto de vários processos mentais que ajudam na visão criativa da descoberta. A criatividade se revelaria, então, no encontro de fatores emocionais e cognitivos, corno capacidades e conhecimentos relevantes sobre determinado assunto e, claro, no estilo próprio da pessoa.

O entendimento da criatividade, portanto, é multidimensional. Além da cognição, Thiago Damasceno, psiquiatra do Instituto de Medicina e Psicologia Integradas, explica que processos de ordem motivacional, pessoal, emocional e contextual também estão envolvidos. O médico esclarece que, geralmente, criativos são dotados de um repertório genético e, além disso, recebem constantes estímulos ambientais que favorecem a aquisição e o armazenamento de conhecimentos cognitivos/emocionais, externos/internos. "Somado a isso, há uma personalidade que favorece a resolução de problemas, a criação de produtos ou interpretação de novas questões sobre o meio em que atua", reforça.

A criatividade pode, ainda, ter alguma influência na saúde mental da pessoa "A etimologia da palavra, que provem do latim (creare) e do grego (krainein). Ambos os sentidos sugerem uma integração entre o fazer e o ser', define Thiago Damasceno. Em outras palavras: descobrir-se capaz de realizar atividades, a princípio distintas, do que se faz no dia a dia aumenta a autoestima.

Na neurociência, Thiago Damasceno explica que já existem técnicas de avaliação e de aprimoramento da criatividade. "O neurofeedback, por meio da estimulação de ondas cerebrais, é capaz de induzir a um estado maior de criatividade", exemplifica o especialista. 'Associando a exercícios específicos - resolução de problemas; criação de textos a partir de palavras pré-escolhidas; atividades de colagens, que trabalham a flexibilidade cognitiva, como exercícios de estratégias; entre vários outros - a essa técnica, é possível potencializar a inteligência criativa."

Como treinar:
• Saia da zona de conforto. Vale tudo: tire um dia inteiro para pintar, Leia coisas não relacionadas a sua área profissional, visite Locais diferentes;

• Pense em formas novas de resolver problemas pequenos. Será que dá para separar uma parte do dia s6 para Ler e ' responder e-mails? O método de organização da sua rotina é o mais eficiente possível?;

.Amplie seus horizontes. Isso não quer dizer que você precise pular de paraquedas amanhã, mas procure fazer algo diferente todos os dias e, talvez, novas possibilidades se apresentem. Almoçar em um local diferente, por exemplo, pode fazer com que você conheça um instrutor de saltos em paraquedas;

• Quanto mais referências, melhor, Criatividade é a associação de conhecimentos, de relações e de possibilidades, que dependem da quantidade de referências que você possui. Em suma: quanto mais disposto a conhecer coisas novas, mais fácil será o processo criativo.




sábado, agosto 06, 2016

ESTRATÉGIA É TUDO DE BOM

Um velho vivia sozinho em um condomínio em Brasília. Ele queria plantar novas mudas de flores, sementes novas, cavar seu jardim, revolver a terra para facilitar a circulação do ar no solo, mas era um trabalho muito pesado e cansativo. Seu único filho, que normalmente o ajudava nessas atividades, havia mudado para o Rio de Janeiro, estava preso porque cansou de esperar a justiça ser feita e resolveu fazer justiça pelas próprias mãos.

Montagem de exposição na FUNARTE (Fundação Nacional de Arte) - Brasília/DF - Ton MarMel  (Rastros. Impressões. Piso em areia sobre duas tonalidades). INTERVENÇÃO.

Então, o velho escreveu a seguinte carta ao filho, reclamando de seu problema:

"Querido filho, estou triste porque não vou poder plantar meu jardim este ano. Detesto não poder fa-Io porque sua mãe sempre adorava a época do plantio depois do inverno. Mas eu estou velho demais para cavar a terra. Se você estivesse aqui, eu não teria esse problema, mas sei que você não pode me ajudar, pois está preso no Rio de Janeiro.
Com amor, papai".

Pouco depois, o pai recebeu o seguinte telegrama:
"PELO AMOR DE DEUS, papai, não escave o jardim! Foi lá que eu escondi os corpos.
Com amor do seu filho".

Às oito da manhã do dia seguinte, uma dúzia de agentes da Polícia Civil e Polícia Federal apareceram e cavaram o jardim inteiro, sem encontrar nenhum corpo.

Confuso, o velho escreveu uma carta para o filho, contando o que acontecera e esta foi a resposta do filho:

"Pode plantar seu jardim, agora, papai. Isso é o máximo que eu posso fazer no momento.
Com amor de seu filho".

......................................

Estratégia é tudo

Cá entre nós, minhas amigas e amigos, a estorinha pode até ser mais uma dentre tantos casos que circulam nos corredores do nosso cotidiano forense, mas, seja como for, o texto mostra que temos que estar preparados para enfrentar os obstáculos e, acima de tudo, sermos criativos para superar os tempos difíceis.

Nada como uma boa estratégia, para conseguir coisas que parecem impossíveis. Assim, é importante repensar naquilo que, muitas vezes, nós mesmos colocamos como obstáculos em nossas carreiras e em nossos sonhos.

Às vezes, uma estratégia demanda tempo e nós, que adquirimos o mau hábito do imediatismo, devido às diversas cobranças que sofremos em nosso dia-a-dia, acabamos comprometendo ou desviando-nos da nossa estratégia. Passamos a ser meros bombeiros, apagando incêndios de um lado para outro, seja na vida profissional, seja na pessoal.

Passado algum tempo, percebemos que só nos desgastamos, não construímos nada, restando-nos o gosto amargo e frustrante daquele amadorismo com que administramos as nossas estratégias.

Afinal, como já alertavam os antigos: "Não há tempo favorável para quem não sabe aonde vai".

Você é o gestor da sua vida!


.